A glutationa o antioxidante “milagroso”!

A glutationa é o mais poderoso antioxidante do corpo e foi mesmo chamado de “o antioxidante mestre!” É um tripeptídeo encontrado dentro de cada célula do corpo. Antioxidantes são cruciais na eliminação de radicais livres do nosso organismo, e os radicais livres são basicamente partículas muito reativas que saltam ao redor da célula danificando tudo o que encontram. A…

Compartilhar
Continue lendo

Coisas que precisamos saber: Benefícios da Glutationa

A Glutationa (GSH) é uma molécula antioxidante usada para impulsionar as funções do fígado em seres humanos. É sintetizada nas células através da formação de aminoácidos. A Glutationa (γ-glutamilcisteinilglicina) é muitas vezes referida como o melhor antioxidante do corpo humano por causa de seus inúmeros papéis, considerado por muitos como o “tiol” não protéico mais…

Compartilhar
Continue lendo

G6PD e a Glutationa

A enzima G6PD cataliza a oxidação da glicose-6-fostato a 6-fosfogluconato, enquanto reduz concomitantemente a forma oxidada de NADP (nicotinamida adenina dinucleotideo fosfato) a NADPH, um cofator em diversas reações biosintéticas e que mantém a glutationa na sua forma reduzida. A glutationa reduzida retira os metabolitos oxidativos perigosos das células e, com ajuda da enzima glutationa…

Compartilhar
Continue lendo

G6PD e a Via das Pentosas

Qual a importância da enzima glicose 6- phosfato desidrogenase para a via das pentoses? A G6PD gera no ciclo das pentoses contínua e ininterruptamente, o agente redutor mais importante da célula o NADPH e desta forma mantém funcionando o ciclo de Embeden-Meyerof. Este ciclo gera contínua e ininterruptamente o piruvato, forte desestruturador da água citoplasmática….

Compartilhar
Continue lendo

Você sabia que existe dois tipos de hemolise? hemólise intravascular e extravascular, vamos entender os dois processos.

Dá-se o nome de hemólise a quebra de hemácias (hemo = sangue, lise = quebra), em que há ruptura da membrana plasmática liberando hemoglobina.  Em condições normais, as nossas hemácias têm uma sobrevida de aproximadamente 120 dias, após esse período, elas são destruídas pelo baço e substituídas por outras hemácias. Nos casos em que se está ocorrendo hemólise, essa regra do organismo é quebrada, podendo…

Compartilhar
Continue lendo

Fisiopatologia da Deficiência de G6PD

A deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD) é conhecida por fornecer proteção contra a malária, particularmente a forma de malária causada por Plasmodium falciparum , a forma mais mortal. 2 , 3 As áreas endêmicas da malária geralmente têm mais indivíduos com deficiência, possivelmente devido a uma vantagem evolutiva. A glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD) é uma enzima que catalisa o primeiro passo na…

Compartilhar
Continue lendo

IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DEFICIÊNCIA DE G6PD

Todo provedor de cuidados de saúde deve ser cauteloso no gerenciamento do paciente com deficiência de G6PD. Como foi mencionado anteriormente, a ingestão de certos alimentos e feijão fava, certos medicamentos, infecções e condições metabólicas podem causar hemólise. A administração inadequada desses indivíduos deficientes em G6PD que desenvolvem anemia hemolítica aguda pode levar a danos neurológicos permanentes…

Compartilhar
Continue lendo

Anestesia em paciente portador de deficiência de glicose-6-fosfato-desidrogenase. Relato de caso

Apesar da deficiência de Glicose-6-Fosfato-Desidrogenase (G6PD) ser uma enzimopatia relativamente comum, as publicações relacionando essa doença com a anestesia são escassas. Mais de 250 variantes de deficiência de G6PD são conhecidas hoje, e novas formas vêm sendo descritas na literatura. A deficiência de G6PD é responsável pela manifestação clínica de uma síndrome hemolítica aguda e…

Compartilhar
Continue lendo

O melhor tratamento para Deficiência de G6PD

A estratégia de gestão mais eficaz é prevenir a hemólise, evitando estressores oxidativos. Portanto, o gerenciamento de dor e ansiedade deve incluir medicamentos que são seguros e não demonstraram causar crises hemolíticas, como benzodiazepinas, derviativas de codeína / codéína, propofol, fentanil e cetamina. Em conclusão, daremos 5 recomendações específicas. Em primeiro lugar, qualquer pessoa suspeita de deficiência…

Compartilhar
Continue lendo

FAVISMO – A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO

D. Endocrinas e metabólicas   –   Poster Congresso ID: PO-578   –   a partir do dia 29 de Maio nos LCDs HOSPITAL DE VILA FRANCA DE XIRA, SERVIçO DE MEDICINA INTERNA Denise Da Cruz, Zara Soares, João Louro, Mónica Reis, Maria José Alves, José Barata Os autores descrevem o caso de um homem de 71 anos, caucasiano, com história de colite ulcerosa,…

Compartilhar
Continue lendo