Publicado em

Paracetamol X Deficiência De G6PD

Olá pessoal.

Ontem algumas mães me procuraram para esclarecer duvidas sobre o uso do paracetamol, visto que as opiniões são dividas e confusas lá no grupo. Então resolvi elaborar um post de esclarecimento com todos os pros e contras dessa restrição.

A 3 anos dediquei minha vida a pesquisar e estudar a Deficiência de G6PD e o que me motivou a pesquisar e estudar foi justamente um quadro de hemólise que meu filho teve por uso do paracetamol, com 1 mês de idade.

Se olharmos as listas de restrições antigas tanto da Apae como da Hemorio ambas proíbem o uso de paracetamol, mas com o passar do tempo essa restrição mudou, hoje em listas atuais vemos que paracetamol assim como outros medicamentos estão na parte de “usados com cautela”, em umas listas o paracetamol nem consta mais, o que é errado.

Uma vez que o medicamento induz hemólise ele sempre será um risco, os estudos que defendem o “uso com cautela” de paracetamol se baseia nas variantes, onde as variantes branda “podem não hemolisar”, mas ainda sim o risco existe, meu filho possui a uma das variantes mais branda e mesmo assim hemolisou com o uso do paracetamol.

Não da para ter certeza se vai acontecer ou não, só testando mesmo para saber, e mesmo que não aconteça agora pode acontecer mais tarde, sabe porque? Não?

Deixa que eu te explico: uma hemólise depende de diversos fatores um deles é o nível de enzima que a pessoa apresenta no momento do uso, se esse nível estiver baixo o risco de hemólise é eminente, também depende do quanto o organismo da pessoa está sobre estresse. Outro fator é que o paracetamol é sim um agente oxidante que pode induzir a hemólise.

Agora como arriscar sem ter certeza se naquele momento tudo está perfeito sem riscos de hemólise?

Sem falar dos danos futuros (que não é uma regra, mas existem), ainda que uma hemólise não aconteça isso significa que o organismo da pessoa se sobre carregou para evitar a hemólise. Outra coisa importante é que uma hemólise pode acontecer de 4hs a 72 hs após o contato com o agente indutor, ou seja, nada pode acontecer na hora, mas um dia depois ou até três. Outra coisa importante é que uma hemólise pode durar semanas no organismo, seja ela severa ou leve.

Quando o assunto é o risco benefício a história é outra. Mas o que é o risco benefício para você? Uma febre de vacina? Errado, febre de vacina muita das vezes é inevitável e não vai causar mal algum ao seu bebê.

Risco benefício é quando a pessoa adoece e essa doença necessita ser trata com um medicamento restrito e que não existe nenhuma outra opção ou quando todas as opções liberadas não resolveram.

Exemplo: Malária, a malária é combatida com a primaquina entre outros todos restritos, mas em caso de contrair malária ela deve ser combatida, então entra o risco benefício, em doses terapêuticas o medicamento deve ser administrado e tudo sendo acompanhado pelos médicos, para que em caso de uma possível hemólise tomem as atitudes necessárias.

Outro exemplo: Dengue, sabemos que em caso de dengue o medicamento indicado é o paracetamol, ai sim entra o risco benefício mas da mesma forma que qualquer outro medicamento restrito, sendo acompanhado por um médico para agir em caso de hemólise.

Não em caso de febre de vacina, primeiro que a febre da vacina é apenas uma resposta do corpo indicando que a vacina está funcionando, e mesmo com medicamento essa febre vai e volta, não cessa, esse processo pode durar até 72hs. Então muita calma, paciência, leite materno e acalento nessa hora.

Agora uma febre sem causa aparente também não vai cessar mesmo com ibuprofeno, paracetamol ou até dipirona, ela vai ir e vim, por que a febre é uma defesa do organismo, ela serve de alerta para o corpo dizendo que algo está errado e combate-lá sem ao menos descobrir a causa é errado e em vão. Primeiro tem que descobrir a causa dessa febre para então combater a causa e ai sim a febre começa a cessar. Então não se desespere e taque paracetamol na criança, entre com procedimentos naturais (sei que as vezes demora e é angustiante), mas vai estar fazendo mais bem que mal a criança. Caso não cesse assim entre com ibuprofeno (sabemos que em sua bula consta como contra indicado para menores de 6 meses), 99% das crianças com Deficiência de G6PD fazem uso do ibuprofeno antes dos 6 meses por ser o mais seguro e não ser indutor de hemólise, então converse com seu pediatra ou hematologista e peça a liberação para o uso. Descobrindo a causa da febre (infecção, virose entre outros motivos), é hora de combater a causa e aí sim essa tenebrosa febre vai ir embora, lembrando que em caso de infecção leva até 72hs após o uso de antibiótico para que a febre vá de vez embora.

Aqui no blog tem um artigo excelente sobre a febre é só clicar AQUI para ler o artigo.

 

paracetamol

 

Agora eu acredito que a decisão é exclusivamente sua (mãe/pai), usar ou não usar o paracetamol?

Compartilhar

Comments

comments